Renan Barão credita avós por apelido e determinação antes do UFC 149

Lutador potiguar, que disputa o cinturão interino dos pesos-galos neste sábado, exalta papel do casal Antônio e Inácia na sua criação: 'Meu espelho'

 



Em vídeo publicado pelo Ultimate na segunda-feira, o lutador Renan Barão, que disputa o cinturão interino dos pesos-galos no próximo sábado, falou um pouco de sua infância difícil, na qual não pôde contar com o pai, separado de sua mãe. Barão o conheceria e passaria a conviver com ele na adolescência, quando começou a praticar lutas. Antes disso, foi criado pelos avós maternos em Natal, sob condições adversas. O casal Antônio e Inácia do Nascimento se tornou a principal referência do lutador.
Ao lado de sua mãe e sua tia, Inácia cuidou do pequeno Renan do Nascimento Mota Pegado desde o berço e é responsável pelo apelido que virou quase um sobrenome: Barão.
- Nasci na época da novela do Barão de Araruna (personagem da novela "Sinhá Moça"). Minha avó gostava muito e me colocou esse apelido. Foi vontade dela mesmo, e pegou em tudo quanto é lugar. Desde aí, meus familiares e amigos me chamavam de Barão - contou o lutador ao SPORTV.COM.
"Seu" Antônio, por sua vez, foi a principal referência masculina e provedor da família. O avô de Barão trabalhou como pedreiro e feirante, entre outras funções, para sustentar os filhos e netos no humilde bairro das Quintas, que, segundo o peso-galo, não era um morro, mas era tão pobre quanto a comunidade de Santo Amaro, de onde vêm vários dos lutadores de sua equipe, Nova União.
- Foi um cara que batalhou muito e sempre tentou dar o melhor para mim. Vou me espelhar nele pelo resto da vida. Ele era pedreiro, trabalhou na feira, vendendo feijão... Não era só eu, eram vários netos que tinham lá, vários filhos. No começo de tudo, era meu avô que ficava me mantendo, aí comecei a lutar e ganhar uma graninha para me manter. Ele é muito orgulhoso, não perde uma luta e ficou muito feliz que consegui esse sonho de lutar no UFC - lembrou, emocionado. Barão adoraria retribuir levando Antônio para Calgary, no Canadá, para acompanhar sua luta decisiva contra Urijah Faber, mas sabe que não será possível.


                                   Barão, ao receber faixa preta no jiu-jítsu: começo nas
                                                               lutas foi no boxe



- Ele tem 92 anos, não sai de lá não! Não gosta de sair, fica só em casa mesmo - riu o lutador.
Renan Barão conheceria o pai na pré-adolescência, aos 12 anos de idade. Netinho Pegado era um pugilista peso-pena que chegou a ser campeão brasileiro da categoria. Com ele, Renan começaria sua trajetória nas lutas, praticando boxe e deixando para trás uma infância de muitas brigas com os colegas de escola.
- Eu brigava muito na escola, estudava em colégio estadual. Eu era muito levado, brigava muito, recebia muita reclamação, tinha que ir com a mãe para a escola, senão eu não entrava. Eu apanhava, batia, era de todo jeito... (risos) Meu pai se separou da minha mãe quando eu era muito novo, só fui ter contato com ele com 11 ou 12 anos de idade, e fui treinar boxe. Foi destino, faz parte. Um dia eu ia crescer e virar adulto, parar com isso de brigar - disse Renan.
Renan Barão enfrenta Urijah Faber no evento principal do UFC 149, em Calgary, Canadá, no próximo sábado, pelo cinturão interino dos pesos-galos. O canal Combate transmite ao vivo e o SPORTV.COM acompanha em Tempo Real. Confira o card completo do evento:
 
UFC 149

21 de julho de 2012, em Calgary (CAN)
 
CARD PRINCIPAL
Urijah Faber x Renan Barão
Hector Lombard x Tim Boetsch
Cheick Kongo x Shawn Jordan
James Head x Brian Ebersole
Chris Clements x Matt Riddle
 
CARD PRELIMINAR
Court McGee x Nick Ring
Roland Delorme x Francisco Rivera
Ryan Jimmo x Anthony Perosh
Bryan Caraway x Mitch Gagnon
Daniel Pineda x Antonio Carvalho
Mitch Clarke x Anton Kuivanen


 

Nenhum comentário: